terça-feira, 19 de outubro de 2010

Reclusa

Foto: Ariane Schirm

Sim, ando meio reclusa. Até de mim mesma! Sumi do mundo, sumi pro mundo. Quem me quiser por perto sabe onde e quando me encontrar.
Ando saudosista também, visitando lugares onde já fui milhares de vezes, mas que hoje, e talvez só hoje, me parecem tão desconhecidos e incrivelmente surpreendentes.
Tenho repensado muitas coisas que já havia dado como certas na minha vida e vendo que definitivamente quero qualidade e não quantidade.
Quero um trabalho que me traga satisfação e não necessariamente riqueza material, apesar de achar que uma coisa sempre puxa a outra.
Quero amigos incondicionais, de infância ou não, isso não importa, o que importa é que me lancem um olhar ingênuo de criança, sem julgamentos nem cobranças desnecessárias. Pois amizade é saber que você pode contar com o outro sem que isso tenha que ser explicito em palavras todos os dias. Amigos aos quais eu não tenha que provar diariamente que podem confiar em mim e vice versa. Pois, amigos de verdade quando a gente olha nos olhos a primeira vez já sabemos que eles serão pra sempre e que neles poderemos confiar incondicionalmente mesmo que a distância ou o tempo tenham nos afastado. E, mesmo que isso signifique ter somente o numero de amigos que se pode contar nos dedos de uma única mão, são esses poucos e únicos amigos que quero por perto.
Quero poder ser eu mesma 24 horas por dia, 07 dias na semana, 04 semanas no mês, 12 meses por ano sem ter que me medir. Quero poder expressar tudo o que sinto, o que penso e o que quero em tempo integral e sem medo nenhum.
Tenho tentado achar esse caminho que tantos me dizem que eu devo seguir, mas que ninguém é capaz de me dizer qual é. Sei que só eu posso achar a direção certa. Então, coloquei o pé nessa tal estrada.
Só tenho me preocupado em estar feliz e fazer as pessoas que me fazem bem felizes. Tenho me dedicado integralmente a isso.
Às vezes erro e algumas outras, felizmente, acerto. Às vezes até pareço incoerente e louca, e sei que realmente sou. Afinal o que é normalidade? Talvez uma chatice. Talvez normais sejam essas pessoas que se preocupam demais com os outros e pouco consigo mesmas. Pessoas amargas que tentam viver em conformidade com a sociedade e não com o que realmente pensam e querem. Talvez você seja assim, e aí, eu só vou poder lamentar. Porque eu, de normal, não tenho nada. Mudo de opinião todo dia, sou bipolar desde que nasci e me orgulho muito disso. Me reservo o direito de olhar as coisas pelos 2 (ou quantos mais tiver) lados, e cada dia achar mais bonito ou mais de acordo um deles. Não sou burro pra usar freio e só olhar pra frente!
Afinal, hoje ando meio reclusa.

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. E ai Nane!!!

    Em primeiro lugar deixo claro que adorei seu nome, de verdade!Não posso deixar de confessar que a princípio cheguei movido pela curiosidade, mas agora tenho que admitir que encontrei uma alma capaz de abrir raciocínio e coração em uma dosagem bastante interessante.Parabéns!


    Mais agora vem o puxão de orelha!Posso saber o por que esse blog não está sendo divulgado?Texto e visual com um extremo bom gosto.

    Estou seguindo e aguardando o próximo post,ok?


    Até!

    ResponderExcluir